Compartilhar:

O plantio do milho safrinha já começou no Paraná, mas, diferente das máquinas, a comercialização anda bem devagar. O levantamento mais recente do Departamento de Economia Rural (Deral), da secretaria estadual de agricultura, aponta que apenas 1% dos 13,5 milhões de toneladas, estimados para a temporada 2016/17, foi vendido de forma antecipada .

O número foi divulgado no último dia 23, mas, para o analista da Granopar, Miguel Biegai, mesmo depois de duas semanas, o índice, mesmo com otimismo, não chega a 10%.

“Nós não vemos negócios acontecendo há meses para milho safrinha”, afirma. Biegai diz que a principal razão é o preço. “Houve uma alta no ano passado, o que gerou um descolamento. Para essa época do ano, a comercialização deveria estar de 30% a 40%. E nós já tínhamos a safra de soja antiga: com a nova safra de verão entrando e mais a safrinha desse jeito, podemos ter um problema de armazenagem”, acrescenta.

Atualmente, nos contratos para setembro de 2017 pela BM&F, a cotação da saca de 60 kg de milho está na casa dos R$ 30. No ano passado, com a quebra climática da safra, o preço passou dos R$ 40/saca.