Compartilhar:

Em ano de La Niña de intensidade moderada, no qual até o momento não ocorreram problemas generalizados de seca ou excesso de chuvas, o Sul do Brasil pode colher quase 40 milhões de toneladas de soja, conforme aponta a Expedição Safra. O projeto, que faz um levantamento técnico-jornalístico da produção de grãos no país, na América do Sul e nos Estados Unidos, vai percorrer, entre os dias 05 e 15 de fevereiro, as principais regiões produtoras do Paraná, Santa Catarina e Rio Grande do Sul para acompanhar o início da colheita da safra de verão.

“O clima colaborou bastante até o momento para o desenvolvimento das lavouras e os três estados do Sul têm potencial para colher uma das melhores safras da história”, destacou o integrante da Expedição, Antonio Senkovski. O roteiro tem início pelo Paraná, principal produtor de soja da região, que deve alcançar a marca de 18,5 milhões de toneladas somente na primeira safra. O projeto vai visitar cooperativas, organizações ligadas ao agronegócio e agricultores de Maringá, Campo Mourão, Umuarama, Toledo, Cascavel e Pato Branco (PR).

Nos outros dois estados do Sul, a equipe de técnicos e jornalistas deve encontrar os produtores ainda se preparando para iniciar os trabalhos da colheita. Em Santa Catarina, que sustenta potencial produtivo de 2,28 milhões de toneladas de soja, a Expedição Safra passa por Abelardo Luz e Chapecó (SC), no Oeste do estado. No Rio Grande do Sul, que deve alcançar 17,8 milhões de toneladas da oleaginosa, o projeto visita Palmeira das Missões, Cruz Alta, Não-Me-Toque e Erechim (RS).

Fonte: Agrolink